Home » Acessibilidade, CAU/MG, Eventos, Legislação, Notícias » CAU/MG promoveu debate sobre a Norma de Acessibilidade NBR 9050

CAU/MG promoveu debate sobre a Norma de Acessibilidade NBR 9050

O “Seminário de Acessibilidade” tirou dúvidas e esclareceu a necessidade de aplicação da norma em todos os espaços da cidade

NBR 9050

Mesa de abertura (da esquerda p/ a direita): Jacques Lazzaroto, Cecília Galvani e Danilo Batista

Na semana em que se comemorou o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (celebrado em 03/12), o CAU/MG promoveu um debate sobre a Norma de Acessibilidade a Edificações, Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos, a NBR 9050, que revisou padrões de construção e pretendem promover o acesso de pessoas com deficiência. Portanto, no dia 06/12, aconteceu o “Seminário de Acessibilidade”, no auditório da Univerdade FUMEC, colocando, dessa forma, em contato pessoas especializadas e com experiência em trabalhar com a norma, arquitetos e urbanistas e o público em geral, que a coloca em prática e tem dúvidas a respeito da sua aplicação.

O evento ocorreu durante todo o dia e teve além de duas apresentações, uma sobre a teoria e outra sobre prática, com espaços para debate e interação do público pelo youtube. 

Na mesa de abertura estavam presentes Danilo Batista, Presidente do CAU/MG, Jacques Lazzaroto, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da FUMEC e Cecília Galvani, Coordenadora da Comissão de Exercício Profissional – CEP-CAU/MG. 

Em sua fala, o Presidente do CAU/MG, destacou a importância do seminário e de colocar em pauta a acessibilidade relembrando o dia internacional da pessoa com deficiência. “Sem acessibilidade nas cidades, nas habitações, nas condições gerais, é impossível ter uma sociedade justa e inclusiva. Nesse sentido, é importantíssimo que esse debate não fique restrito apenas ao âmbito acadêmico e profissional, levando a todos o entendimento desse assunto que vai muito além do planejamento de projetos”, afirmou.

 

Acessibilidade, conceitos e normas

A primeira convidada palestrante do CAU/MG, Adriana Romero de Almeida Prado é Arquiteta e Urbanista, especializada na área de acessibilidade. Ela ministrou sobre “acessibilidade, conceitos e normas”, apresentando um breve histórico da norma de acessibilidade e suas alterações.

NBR 9050

Adriana Romeiro, durante a apresentação “Acessibilidade, conceitos e normas”.

Adriana falou sobre o desdobramento das norma, explicou a necessidade e importância da padronização de medidas para facilitar o acesso não só de pessoas com deficiência, mas de todas as pessoas. Todas as áreas de usos comuns necessitam ser acessíveis, por isso, deve-se pensar em todas as pessoas com as suas particularidades.

Durante a apresentação ela disse: “O interessante é entender todas as normas e não só uma específica. Só entendendo o todo, de uma forma ampla, a solução tomada será melhor. Essa não é apenas uma norma para as pessoas com deficiência, mas para todos nós.”

A palestrante passou pelos principais capítulos da Norma 9050, explanando sobre medidas padrões estabelecidas para áreas de circulação, espaços confinados, área de manobra, sinalização, travessias, tamanho de corrimão e entre outros pontos importantes. Além de também falar sobre as implicações do rebaixamento de calçada e a importância de um projeto urbano que seja acessível a todos. Revisou, além dos conceitos, imagens que ilustraram a forma de aplicação da norma, deixando tudo muito claro e intuitivo para o público.

Após sua apresentação, foi aberto o primeiro debate com o público, que levantaram questionamentos importantes para a discussão. Na primeira mesa, Adriana Prado e Ângela Carneiro Cunha conversaram com Cristiano Daniel de Freitas Martins – Gerente de Licenciamento de Edificações da Prefeitura de BH e Ana Carolina Resende – Gerente de Controle de Regularização de Edificações  da Prefeitura de BH, sobre dúvidas a respeito de estipulações da norma. A mediadora do debate foi a Cecília Galvani, coordenadora da CEP-CAU/MG.

 

NBR 9050

1º Mesa de debate (esq. p/ dir.): Cristiano Martins, Ana Carolina, Cecília Galvani, Adriana Romero, Ângela Carneiro

 

Assista a gravação da primeira parte na íntegra

 

Projetos acessíveis

A segunda palestrante foi do seminário foi a arq. urb. Ângela Carneiro Cunha, que hoje é Assistente Parlamentar da Câmara Municipal do Recife e Consultora em Acessibilidade. Ela apresentou as normas em aplicações de projetos urbanos reais, dos quais participou e mostrou alternativas de intervenções que podem transformar o espaço urbano para melhor.

Ângelo Carneiro Cunha, durante a apresentação “Aplicação das Normas”

Segundo ela, a criação de uma cidade acessível é aquela que tem noção de que todos precisam ser respeitados em sua diversidade, sendo disponibilizados “espaços e serviços que atendam a diversidade humana”.

Por ter trabalhado vários anos no governo, contou o desdobramentos de projetos públicos, abrindo  a planta de programas e projetos como o Minha Casa Minha Vida, Unidade Básica de Saúde – UBS, o redesenho do Centro Histórico de Olinda, para o projeto “Recife: Turismo Acessível”, Maternidade de Caruaru e entre outras ações urbanas, para exemplificar obras governamentais que melhoraram o acesso urbano a todas as pessoas. 

Adriana, mostrando a planta da Maternidade de Caruaru

Ao final da sua apresentação, foi aberta a segunda rodada de debates que contou com a presença do Presidente do CAU/MG Danilo Batista, mediador da discussão, quando foram esclarecidos os questionamentos do público, também com as duas palestrantes presentes.

2º Mesa de debate

 

Aplicação da norma em debate

A última mesa de debates reuniu funcionários das Prefeituras Municipais de Belo Horizonte, Nova Lima, Divinópolis e Contagem. Em todas as partes da discussão o público contribuiu e acrescentou para o debate real, podendo tirar dúvidas com especialistas e com a própria prefeitura do município, sendo Cecília Galvani, a mediadora da última mesa.

Os principais questionamentos estavam relacionados a questões técnicas de construção e dúvidas sobre a viabilidade das adaptações propostas pela norma 9050, mas deixou-se clara a necessidade de aplicação e entendimento completo das normas de acessibilidade.

3º Mesa de discussão com representantes de Prefeituras Municipais.

 

Assista a gravação da segunda parte na íntegra

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.