Home » Eventos, Notícias » Iluminação na arquitetura foi tema do 7º Encontro entre Arquitetos

Iluminação na arquitetura foi tema do 7º Encontro entre Arquitetos

Iniciado em dezembro de 2015, como parte da programação mensal em comemoração ao Dia do Arquiteto e Urbanista, os “Encontros entre Arquitetos” tem o objetivo de criar um espaço para ampliar o diálogo entre os nossos colegas, os arquitetos e urbanistas, e demais interessados. E nesta edição, vamos tratar de iluminação na arquitetura.

O evento, iniciativa do Colegiado Permanente de Entidades de Arquitetos e Urbanistas – CEAU do CAU/MG, trouxe, em sua sétima edição, no dia 16 de junho, a temática sobre iluminação de monumentos e fachadas nas cidades. A abertura, contou com as presenças dos arquitetos e urbanistas, Vice-presidente do CAU/MG, Júlio De Marco, da Presidente do IAB/MG e também Secretária do CEAU, Rose Guedes e do Presidente do GEMARQ, Danilo Batista.

Os palestrantes, José Canosa Miguez (Conselheiro Estadual do CAU/RJ e arquiteto e urbanista da Lighting Designer) e Verena Greco (engenheira de vendas da Sunew), discursaram sobre a importância da iluminação na criação e valorização do espaço urbano noturno, abordando seus aspectos arquitetônicos e urbanísticos e os impactos paisagísticos e ambientais e as tecnologias das células fotovoltaicas.

Dando início às palestras da noite, Verena Greco apresentou o trabalho que desenvolve utilizando a energia solar, a forma de energia mais abundante no planeta e a única que tem o potencial e a capacidade de substituir todas as demais, que, embora não seja, ainda, a mais utilizada, é aquela cujo consumo mais cresceu na última década. Discorreu que são duas as formas de geração dessa energia, a Energia Solar Concentrada, como se faz nas fazendas solares, e a Distribuída, que, por sua vez, pode se dar de duas outras maneiras: “rooftop”, com o uso de painéis na cobertura de edificações, com um payback, atualmente estimado, em 7 anos, e no conceito de “Energy Everywhere”, cujo foco são os mercados não atendidos pela tecnologia tradicional, utilizando-se de tecnologia em desenvolvimento, ao invés de células de silício maduras, com a introdução de Filmes Fotovoltaicos orgânicos – OPV – um filme constituído por 5 camadas de tinta líquida e orgânica impressas uma a uma, o que o dota de características de leveza, flexibilidade, transparência, reciclabilidade, resistência a impacto, captando energia in door inclusive, apresentando variações de cor, podendo ser customizado.

Explicou que a empresa SUNEW é uma spin off do instituto de pesquisa CSEM BR, que , por sua vez, tem como referência o CSEM, originado na Suíça, sendo uma das poucas empresas que desenvolvem essa tecnologia no mundo, com um processo produtivo a baixo custo, sendo a única com capacidade de desenvolver filmes de mais largos.

O estado da arte desta tecnologia hoje é que, ainda, gera menos energia e é mais caro que os processos que empregam o silício, mas, por utilizar matéria orgânica, há um campo vasto a ser trabalhado para adquirir maior eficiência, apresentando uma forte pegada no design, lembrando que ela é utilizada onde o silício não é adequado como estacionamentos, fachadas, coberturas em curvas, tetos de automóveis, baús de caminhões, abrigos de ônibus, etc.

Em seguida, foi a vez de José Canosa Miguez, que nos apresentou sua experiência com a iluminação pública na cidade do Rio de Janeiro, onde começou a trabalhar com este assunto em 1993, na RIOLUZ, da qual acabou sendo presidente em 2000, quando ela se tornou uma referência internacional de iluminação de edifícios e monumentos, tendo em seu portfólio a iluminação de 168 monumentos , sendo que esta empresa é uma das únicas empresas municipais no Brasil que elabora projetos e realiza a implantação e distribuição de redes deste tipo, tendo sido um grande desafio que pode ser vencido com a interação multidisciplinar de arquitetos e urbanistas e engenheiros.

Ele relatou que, no início, os monumentos e edificações eram iluminados de uma forma chapada sendo que a demanda era para se reproduzir, à noite, o efeito de iluminação da luz solar, como no caso da Igreja da Glória.

Sua apresentação se baseou em notícias recentes na imprensa sobre a iluminação pública e de monumentos. Foi apresentado o caso da sede da Fundação FIOCRUZ, nos moldes de um palácio mourisco datado do início dos anos 1900, cuja iluminação atual o descaracteriza, como se prestando um desserviço tanto à edificação quanto à paisagem da qual faz parte, pois descaracteriza a obra. A seguir, o caso da ponte estaiada da Linha 4 do metrô na Barra da Tijuca, que, por si só, constitui um elemento que rompe com a escala do lugar, se tornando sua iluminação “uma verdadeira fanfarra circense “, nas palavras de Luiz Fernando Janot, sendo “um exagero à quinta potência”, nas palavras de Pedro da Luz. Não sendo este um caso isolado pois existe outra ponte similar na Avenida Ayrton Sena, o que nos leva a refletir se haverá limites para a iluminação na cidade.

Ponderou-se que a luz é quase um elemento virtual do qual se tem o controle. Com isto, iluminar monumentos deve ser um ato de criatividade e respeito à obra que se quer evidenciar, uma vez que o lightning designer trabalha sobre a obra de outro auto, quer seja um homem, quer seja Deus. Ao se iluminar feições naturais, devendo refletir um profundo respeito pela obra de outros artistas que as conceberam e as construíram. Neste sentido, a luz não é mais importante que a obra iluminada, devendo o trabalho deste designer expressar uma releitura da obra através de seu respeito e sentimento.

O urbanismo do século passado concebeu a cidade durante o dia, e uma cidade compartimentada, na qual a iluminação pública teve uma abordagem viária, a partir do trabalho do engenheiro em observância uma norma técnica. A iluminação acabou priorizando o carro, assim como as vias da cidade fizeram. Deve-se considerar que a iluminação é uma atividade com cerca de 100 anos existindo muito a ser descoberto e tentado, devendo a luz ser tida como um poderoso elemento de criação de referências simbólicas, na transição de uma iluminação pública para uma iluminação urbana.

A luz :
– permite a visão e nisso tem de considerar as diversas necessidades, como a do pedestre que necessita perceber pessoas e objetos com uma clareza, e a do motorista que precisa de que haja uma uniformidade na sua distribuição, por exemplo, ou seja, deve ser específica para necessidades específica;
– participa da sinalética, marcando as trajetórias e percursos;
– cria cenografias, permitindo afirmar ou negar formas, cores, volumes, vazios, escalas, o que implica em se decidir que partido de iluminação a se adotar para se obter a concepção visual desejada;
– define a ambiência psicológica no ambiente, considerando-se, ainda, que a luz tem valores simbólicos – invoca a divindade, simboliza a segurança, a vida, a exaltação e a força, é sinal de fausto e cerimônia, está presente de diversos modos nos ritos, inspira sentimentos e define o cosmos.

São várias as técnicas de iluminação utilizada em monumentos, e podem ser utilizadas isoladas e em conjunto, permitindo se criar uma ferramenta decorativa. São elas: up light ou contre plongée, tangente, down light ou plongée, rasante, contra luz. Para a utilização dessas técnicas do melhor modo há que se ter uma interação entre o arquiteto e urbanista, o arquiteto paisagista e o lightning designer.

Por fim, trouxe uma outra notícia recentemente divulgada sobre a criação do Atlas Global de Poluição Luminosa, segundo o qual um terço da humanidade não tem mais a percepção das galáxias e nem da luz da lua, tamanha é a contaminação luminosa do planeta originada da poluição luminosa cuja causa é a emissão inadequada da luz, o que faz com que cerca de apenas 100 estrelas estejam presentes no lábaro sobre as cidades, o que gerou uma civilização iluminada repleta de cegos pela luz.

Um terço da energia que se utiliza na iluminação pública é lançada no espaço, o que significa, grosso modo, em termos nacionais que cerca de seis por cento da energia gerada no Brasil é assim desperdiçada, devendo se trazer à mente que envidamos esforços durante os horários de verão para economizar um por cento de consume do energia. A geração de iluminação pública implica na produção de resíduos tóxicos uma vez que, tanto lâmpadas como luminárias utilizam metal pesado, trazendo consequências para o meio ambiente tanto durante o uso quando tornadas dejetos. A iluminação de feições naturais traz consequências com mudanças de hábitos da flora e da fauna tanto diurna quanto noturna, principalmente alterando os ciclos circadianos de cada indivíduo e a produção de hormônios como a melatonina, tendo consequências específicas em algumas espécies, atraindo as aves, provocando o choque delas contra edificações, por exemplo.

Iluminar demais não significa iluminar bem, trazendo consequências como o ofuscamento para o trânsito de pedestres e veículos, terrestres, aéreos e marítimos, e como a criação de luz invasiva a edificações no período noturno.

Ao fim da palestra houve espaço para um debate direcionado e tira dúvidas da plateia. No link abaixo você pode conferir as fotos do evento.

Iluminação na arquitetura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *