Home » Arquitetura, CAU/MG, Destaques, Entrevistas, Notícias » Entrevista SME: Arquitetos querem ampliar o sentido social da profissão

Entrevista SME: Arquitetos querem ampliar o sentido social da profissão

A Sociedade Mineira de Engenheiros – SME entrevistou a presidente do CAU/MG, Edwiges Leal, sobre os objetivos e desafios que essa gestão do Conselho vislumbra em seu caminho

 

sme entrevista

Edwiges Leal, presidente do CAU/MG (2021-2023)

Um desafio está posto na mesa da nova presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Minas Gerais (CAU-MG), Maria Edwiges Sobreira Leal: ampliar o alcance social da profissão, de tal forma que o papel de arquitetos e urbanistas passe a ser percebido como muito importante para a melhoria da qualidade de vida nas cidades. “A prioridade é mostrar como o nosso trabalho faz diferença”, frisa Edwiges Leal, uma profissional com 37 anos de atuação e que, no início do ano, recebeu a missão de dirigir, para um mandato que vai até o final de 2023, a entidade representativa dos cerca de 17 mil arquitetos e urbanistas que atuam em Minas Gerais.

Ela reconhece que o arquiteto ainda trabalha meio desconectado das grandes demandas da sociedade – “A gente trabalha muito na bolha” –, realidade essa que ela pretende mudar, pois de nada adianta apenas o profissional dizer que seu trabalho é importante se não mostrar a importância do que faz. “Não adianta dizer que sou imprescindível se a cidade não demanda meu trabalho”, afirma Edwiges Leal, que, para quebrar essa bolha, pretende, entre outras coisas, trabalhar segundo os princípios fixados pela Lei 11.888.

Edwiges Leal afirma que prioridade é mostrar que trabalho do arquiteto faz a diferença. A lei, de 2008, assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para a elaboração projeto e construção de habitação de interesse social, mas, segundo Edwiges Leal, ainda é um objeto estranho para a esmagadora maioria das prefeituras brasileiras. No caso de Minas, o CAU-MG destina, anualmente, 2,5% de seu orçamento para editais com base nessa lei. Funciona assim: o CAU lança o edital, os arquitetos e urbanistas apresentam seus projetos e os melhores são escolhidos e colocados à disposição da sociedade para que sejam implementados.

Ano passado, foram aprovados, no edital, projetos emergenciais para a melhoria das condições sanitárias das habitações e pequenas comunidades durante a Covid-19.Foi, segundo Edwiges Leal, um “passo exemplar” que ela espera ver ampliado pela gestão à frente da qual está. O caminho será a ampliação das pontes com prefeituras e entidades representativas dos setores mais desfavorecidos da sociedade.

Como exemplo do que pode ser feito, ela citou uma iniciativa que, no Rio Grande do Sul, reuniu o CAU daquele Estado, prefeitos, Ministério Público e Governo do Estado. O objetivo era desenvolver um projeto de cozinha e banheiro para habitações de baixa renda. Coube ao CAU elaborar o edital e escolher o projeto, que será implementado, pelo Governo do Estado e um consórcio de prefeituras em 11 mil residências. “Saímos do fazer pontualmente para uma escala que vai impactar a vida de milhares de pessoas”, afirmou a presidente do CAU-MG. Sua expectativa para Minas, é ampliar o percentual destinado à Lei 11.888, dos atuais 2,5% para 5%.

 

Mercado

Há 40 anos, havia em Minas, apenas uma escola de arquitetura e urbanismo, a da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Hoje, são 84 cursos em todo o Estado, o que faz Edwiges Leal definir como saturado o mercado se todos os arquitetos e urbanistas tiverem como meta projetar habitações para famílias de maior poder aquisitivo em áreas urbanas.

O que ela pretende, ao ampliar o alcance da arquitetura, é, além de reforçar o sentido social da profissão, criar novas áreas de atuação profissional. Ela aponta a existência de um mercado de trabalho praticamente inexplorado para os arquitetos junto às prefeituras Os prefeitos agem assim, segundo a presidente do CAU-MG por desconhecimento acerca dos benefícios que a contratação de um arquiteto pode trazer para o município.

“Muitas vezes, o prefeito tem até boa intenção, mas não tem um plano urbanístico, porque fazer planejamento urbano envolve o uso do espaço público e dos espaços de convivência, envolve a qualidade das áreas de lazer, o clima, a geologia, a drenagem, o paisagismo, o comércio e toda a parte de mobilidade. E definir grande parte disso é uma função do arquiteto”, frisa Edwiges Leal, que considera principalmente as pequenas cidades as mais carentes do trabalho do arquiteto. “Os prefeitos não têm sensibilidade para isso. Eles seguem fazendo do jeito que podem”, diz a nova presidente do CAU-MG ao reforçar a importância do imenso trabalho que a instituição tem pela frente.

 

Novo perfil

Ainda que seja imenso o desafio, ela afirma que esse trabalho está sendo facilitado pela mudança no perfil do arquiteto que está se formando hoje, e que, segundo ela, está mais preocupado com a observação das cidades, com a construção de habitações dignas para populações de baixa renda e com a possibilidade de traçados que possam prover um trânsito menos dominado pelos automóveis particulares. Tais mudanças, a seu ver, sofreram uma aceleração na pandemia, que despertou uma preocupação maior com o imóvel residencial, com a compatibilização do trabalho com o morar no mesmo espaço.

Isso faz com que, segundo Edwiges Leal, ocorra uma mudança no perfil do arquiteto. “Temos um trabalho bonito a ser feito. Queremos mais arquitetos. Queremos uma arquitetura para todos. Queremos pegar a meninada que está saindo dos cursos aos borbotões e dar a eles um sentido na profissão. Queremos mostrar que não somos só de elite, dos prédios bonitos na zona sul das cidades. Que somos também das áreas mais periferias, onde nosso trabalho é mais demandado, mas ainda não chegou.

Conheça mais sobre a nova presidente do CAU/MG e os planos da gestão para este triênio clicando aqui.

Fonte: SME

 

Uma resposta para “Entrevista SME: Arquitetos querem ampliar o sentido social da profissão”

  1. QUINTO GIULIO TOIA disse:

    Esse não é o papel do CAU. É papel do governo e das entidades de classe, que naturalmente tem esse objetivo. E o CAU-MG não é governo nem entidade de classe. A massa de arquitetos que sai da faculdade hoje, passa ao largo desse tipo de preocupação. As manifestas intenções do CAU são mais afetas a posições politico-partidárias. Ou, quem sabe, pretende o alinhamento com o novo projeto anunciado pelo CAU-BR: “Criar marcas de gestão”. A Lei que criou o CAU pariu um elefante branco e não se sabe o que fazer com ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =