Home » Arquitetura, Assisténcia Técnica, CAU/BR, Notícias » ATHIS: Projetar para quem? Uma reflexão necessária

ATHIS: Projetar para quem? Uma reflexão necessária

Pesquisa do CAU/BR revelou que 85% das construções realizadas no Brasil não possuem projeto de arquitetura.

ATHIS: Projetar

Oficina do Fórum de ATHIS e Extensão Universitária em Guarulhos. Foto: Juliana Yoshida, maio de 2019/ Reprodução: Archdaily

 

Nas grandes cidades quase 1 bilhão de pessoas vivem em assentamentos informais que constituem parcelas significativas do tecido residencial das áreas urbanas.  De acordo com o documento temático elaborado para o Habitat III, realizado em Quito em 2016, este tipo de tecido corresponde a:  moradias sem segurança de posse, localizadas em áreas com ocupações ilegais ou locação informal; bairros geralmente isolados dos serviços básicos de saneamento básico, água potável, espaços públicos e áreas verdes; práticas excludentes que cooperaram para condições históricas de desigualdades econômicas e da segregação. Ou seja, em qualquer uma destas condições, a população moradora está sujeita, constantemente, a doenças, violência, remoções e gentrificação.

Estes assentamentos informais – ou também denominados como favelas, cortiços, ou ocupações em imóveis vazios – são áreas pungentes de cultura e vitalidade, com muitas oportunidades de criar soluções para as dificuldades e problemas que essas populações enfrentam em seu cotidiano.

Nesta direção, é necessário refletir sobre a formação dos estudantes de ensino superior, das mais diferentes áreas de conhecimento, para uma formação, sobretudo, mais cidadã e, também, preparada para atuar na diversidade de situações das designadas áreas da cidade, em especial aquelas que são informais e carentes de moradia digna.

Na busca por uma resposta para a pergunta “projetar para quem?“ acreditamos ser meritório e relevante destacar a atuação dos Arquitetos e Urbanistas organizados em ATHIS, pois são profissionais que buscam consolidar a sua função social além de seu papel como agente transformador frente ao ambiente a ser construído ou na melhoria do ambiente consolidado das áreas informais das cidades.

Apesar das muitas experiências consolidadas e legislações, a concretização de ATHIS na formação dos estudantes de Arquitetura e Urbanismo não é eficaz. Exceto para alguns estudantes que tem a oportunidade de vivenciar essa experiência nos escritórios modelos existentes em poucas Instituições de Ensino Superior; ou quando se organizam em coletivos de Extensão Universitária que abordam e incluem em suas atividades processos participativos, trabalhando junto com a população de baixa renda; ou, ainda, quando conseguem realizar um estágio em Assessorias Técnicas consolidadas. Logo, verifica-se uma grande oportunidade de diálogo entre as entidades de ATHIS e Grupos de Extensão Universitária, uma vez que atuam de formas semelhantes, possibilitando relações de troca entre alunos, professores, profissionais e a comunidade.

Neste contexto, em 2017, estudantes de doze Instituições de Ensino Superior (IES) da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) formaram o Entre: FAUs, um coletivo de estudantes das Faculdades de Arquitetura e Urbanismo, que recebeu apoio do IAB/SP para debater e refletir sobre várias lacunas na formação, entre elas ATHIS.

Para conhecer com detalhes um desses projetos e ler o artigo na íntegra, entre na página do Archdaily clicando aqui.

 

Seminário ATHIS em Uberlândia: uma oportunidade para debater experiências de moradias populares

Visando ampliar o conhecimento referente à moradia popular e a necessidade de entender e melhorar as estruturas das cidades, no dia 03 de setembro, na cidade de Uberlândia, o CAU/MG promoverá um seminário educativo. O Conselho tem como principal objetivo debater as oportunidades e os desafio da Lei 11.888, que, desde 2008, assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social. Por isso, o evento levará em conta palestras e discussões sobre como qualificar as cidades de forma resiliente e sustentável.

O evento é aberto a todos e as inscrições são gratuitas.

 

CLIQUE AQUI E FAÇA SUA INSCRIÇÃO

Uma resposta para “ATHIS: Projetar para quem? Uma reflexão necessária”

  1. Débora Sanches disse:

    Caros,

    Agradecemos o destaque do CAU/MG ao artigo que escrevemos!

    obrigada e parabéns pela iniciativa do Seminário ATHIS em Uberlândia: uma oportunidade para debater experiências de moradias populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.