Home » Arquitetura, Notícias, Patrimonio, Urbanismo » BH: 122 anos da primeira cidade moderna planejada do Brasil

BH: 122 anos da primeira cidade moderna planejada do Brasil

Belo Horizonte carrega em sua história prêmios de mobilidade, patrimônio e cultura

Hoje, 122 anos atrás, era inaugurada a nova capital de Minas Gerais, que foi transferida de Ouro Preto para o Arraial Curral Del Rey. O novo município foi construído no auge da modernidade, planejado pelo engenheiro e urbanista Aarão Reis, que tinha como pretexto criar a cidade do futuro, devido a ideia de progresso que se instaurou em todo o Brasil do final do século XIX ao início do século XX, com a proclamação da república em 1889.

Surgia então, a 6º cidade mais populosa do país e a terceira mais populosa da região sudeste, com mais de 2,5 milhões de habitantes. Segundo o censo de 2010, Belo Horizonte produz cerca de 1,4% do PIB do país. 

Reconhecimento internacional

Em 2015, com o projeto BRT MOVE, BH ganhou o Prêmio Transporte Sustentável, concedido pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), sediado em Nova York. A premiação global é concedida anualmente, desde 2005, à cidade que tenha implantado projetos inovadores e de destaque no campo do transporte sustentável durante o último ano.

Além de tudo isso é berço de manifestações culturais, uma famosa culinária, cerca de 790 e 74 parques. Em outubro deste ano, Belo Horizonte preparou a candidatura e recebeu o título de Cidade Criativa da Gastronomia pela UNESCO, tornando a comida belohorizontina famosa e importante mundialmente.

Cidade do Poder

Seu primeiro nome foi Cidade de Minas, mas por não agradar os moradores e habitantes da região, em 1901, foi renomeada Belo Horizonte. Propositalmente, Belo Horizonte foi planejada para ser a sede do Governo Mineiro, uma cidade com muitas praças, arborização, iluminação, bondes e telégrafos. Foi especialmente fundada a ser a sede do poder político e concentrar todas as decisões do estado, se modernizando e abandonando o estilo colonial, consolidando o aspecto republicano.

Desde o tamanho das ruas ao número de praças, foram pensados para dar um ar da nova urbanização moderna, uma cidade em movimento, com amplas avenidas que tinham como objetivo permitir o fluxo de pessoas e circulação de mercadorias. A verticalização da cidade, no início do século,também era enxergado como o progresso, buscando sempre o original e o novo.

O Palácio da Liberdade (que deveria ser a morada do governador) e a sede dos ministérios, concentrados na praça da liberdade, foram construídos, na época, no ponto mais alto da cidade. A ideia inicial era que o município se expandisse dentro da Avenida do Contorno, mas com o processo avançado de urbanização e inchaço dos centros urbanos, ocorreu um grande processo de expansão. Apesar de ser uma cidade ainda muito nova, BH tem cerca de 9 regiões, além do projeto original.

São elas: Barreiro, Nordeste, Oeste, Pampulha, Noroeste, Norte, Centro-Sul, Leste e Venda Nova. Cada uma delas com suas especificidades, tamanhos e diversidades culturais. Segundo dados divulgados pela Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte (Prodabel) em 2018, a maior regional de todas é a do Barreiro, com 72 bairros e uma extensão territorial de 53,6 km². Venda Nova é a menor em números de bairros, só 36 e a região Leste é a menor em extensão territorial, com 27,98 km².

Uma cidade sobre rios

Apesar de não nos darmos conta, grandes e importantes avenidas da cidade são construídas sobre rios. A princípio eles eram abertos e visíveis, mas posteriormente, com o processo de urbanização da década de 20, esses rios foram canalizados. Em entrevista ao jornal Hoje Em Dia o geólogo Alessandro Borsagli, afirmou “no plano urbanístico, escolheram um local com abundância de recursos hídricos. Por outro lado, a planta não levou em consideração os cursos d’água que existiam ali, como o Acaba Mundo (na avenida Afonso Penna), o Leitão (Av.Prudente de Moraes) e o córrego da Serra (Serra ao Funcionários)”.

De acordo com a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), dos 654 km de rios que cortam Belo Horizonte, 208 km são invisíveis para quem anda pela cidade, e a maioria está canalizada ou tapada, recebendo ruas e avenidas.

Em novembro de 2015, o geólogo lançou o livro “Rios Invisíveis”, conta a história cronológica de como os rios da capital foram cobertos ao longo do tempo. Em seu site “curraldelrey.com”, ele divulga textos e artigos sobre a construção e de Belo Horizonte.

Fontes: Jornal OTEMPO, Jornal Estado de Minas, curraldelrey.com, Texto: RODRIGUES, Danielle Uchoa Alonso – Belo Horizonte no início do século XX: uma cidade entre rupturas e continuidades. 

Matéria relacionada

Com uma contribuição recebida através dos comentários dessa matéria, retificamos a informação no título. Onde informamos que Belo Horizonte é a primeira cidade planejada do Brasil, quando na verdade ela é  a primeira cidade brasileira moderna planejada. Confira na matéria abaixo mais informações sobre as cidades planejadas no Brasil.

Saiba mais aqui

2 respostas para “BH: 122 anos da primeira cidade moderna planejada do Brasil”

  1. Não está certa a afirmação de que BH é a primeira cidade planejada, ou projetada, do brasil. Muitas outras – http://44arquitetura.com.br/2017/08/cidades-planejadas-brasil-conheca/ – são anteriores. O que podemos dizer é do seu caracter positivista ou que foi a primeira cidade brasileira moderna planejada. Vale uma nota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.